Site da FEAGRI Contato
Colheita de Hortaliças

 

As hortaliças são caracterizadas por sua diversidade, e neste caso a colheita poderá ser em frutos, bulbos, tubérculos ou raízes, os quais podem estar localizados na (1) Parte Aérea; (2) Colheita do produto localizado abaixo da superfície do solo; (3) Ao nível do solo.

 

Colheita Parte Aérea

Aquela em que o produto da colheita encontra-se acima do nível do solo, suspenso pela planta ou por algum dispositivo de condução da planta. Colheita de frutos, em especial, aqueles da família Solanácea (Berinjela, Jiló, Pimentão, Tomate). Será utilizado como exemplo a colheita do tomate.

Tomate

Equipamento Auxílio Colheita

Na colheita manual para o tomate de mesa, o colhedor segura o fruto com a mão, realizando um movimento de rotação de seu punho, de modo a romper o pedúnculo. Alguns colhedores utilizam-se de tesouras a fim de cortar o pedúnculo ao invés de rompê-lo. Os frutos colhidos são colocados em cestas de palha, carregadas pelos colhedores, até que se atinja sua capacidade máxima, quando este transfere então o conteúdo da cesta para uma caixa maior, de plástico ou madeira, localizada no carreador, para posterior transporte. Existem alguns equipamentos de auxílio a colheita para tomate de mesa, como por exemplo, carrinhos de transporte (foto ao lado) ou mesmo plataformas de colheita autopropelidas, como a que está em desenvolvimento na Faculdade de Engenharia Agrícola, Unicamp.

Para saber mais sobre este assunto acesse o site abaixo

Multifunctional machines for greenhouses - Alternativas para colheita do tomate em estufas

 

Colheita de produto localizado abaixo
da superfície do solo.

Aquela em que o produto a ser colhido encontra-se abaixo do nível do solo, parcial ou totalmente coberto por terra.

Aspargo

Aspargo, é um produto pouco cultivado no Brasil, porém devido a complexidade da colheita, em função da alta perecibilidade deste e a localização, é utilizado aqui como exemplo da aplicação de equipamento de auxílio a colheita. Na colheita tradicional rasteira, o colhedor retira o produto do solo, através do corte do caule. Na colheita utilizando equipamentos de auxílio o equipamento encarrega-se de realizar esta função.

Para saber mais sobre este assunto acesse os sites abaixo

Asparagus Harvesting machine

Macchina agevolatrice a trazione elettrica per la raccolta dell'asparago verde e bianco
Macchina A Trazione Elettrica Per La Raccolta Dell' Asparago Verde

 

Batata-doce

A colheita sempre envolve muita mão-de-obra, mesmo quando algumas etapas são mecanizadas. Quando executada manualmente, os operários escavam lateralmente as leiras à uma certa distância da base da planta, para evitar corte e ferimentos nas raízes. Ao revolver a leira, as raízes são expostas, sendo então recolhidas e posteriormente lavadas.

A mecanização simples consiste em revolver a leira para expor as raízes. Para isso, podem ser utilizados diversos equipamentos que executam o corte do solo ao lado das leiras ou abaixo delas. Geralmente são equipamentos semelhantes aos arados modificados para facilitar a separação do solo, tendo à frente um disco vertical para cortar as ramas. Outra opção consiste em passar uma lâmina abaixo da zona de crescimento das raízes ou utilizar a colheitadeira de batata. Em alguns países, como por exemplo nos Estados Unidos, é possível encontrar equipamentos de auxílio a colheita para este produto, o qual consiste em uma plataforma de colheita, a qual revolve o solo, expondo as raízes.(Texto adaptado – Sistema de Cultura da Batata-Doce – Embrapa - Hortaliças – link abaixo).

Para saber mais sobre este assunto acesse o site abaixo

Cultura da Batata Doce- Embrapa Hortaliças

 

Batata

A batata é uma das culturas que desempenham importante papel na nutrição humana, sendo depois do trigo, arroz e milho, a maior fonte de subsistência da população. Em 2004 o Brasil produziu 2.931.184 toneladas de batata em três safras (FNP-CONSULTORIA & COMERCIO, 2006). As regiões Sul e Sudeste são as principais produtoras brasileiras de batata. Os estados de Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina respondem em conjunto por 96% da produção brasileira. (RESENDE et al., 1999).

A produção total corresponde aproximadamente ao consumo nacional. Do total de consumo, cerca de 95% são consumidos “in natura”, e os 5% restantes na forma industrializada como pré-fritas congeladas, chips e pré-cozidas (FNP-CONSULTORIA & COMERCIO, 2005).

Atualmente no Brasil predomina o beneficiamento e classificação da batata em galpões de beneficiamento e classificação. Neste caso a batata é levada para um galpão, denominado pelos produtores como “Lavadeira” onde, sobre esteiras, sofre uma lavagem ou escoamento mecânico, e em seguida uma nova secagem. A seleção e classificação podem ser realizadas manualmente ou mecanicamente. A maior parte da batata comercializada no Brasil é lavada, sendo esta uma prática questionável, devido ao gasto excessivo de água. O mercado consumidor brasileiro habitou-se a isto, sendo de difícil mudança, devido à praticidade que representa para o consumidor. Portanto, em raros casos todo o processo da colheita ao beneficiamento é realizado em campo. A colheita pode ser realizada manualmente, ou com auxílios de equipamentos simples para retirada do produto, como laminas ou esteiras rotativas. A colheita mecanizada é utilizada em diversas regiões, principalmente com maquinário importado.

Para sabermais sobre este assunto acesse os sites abaixo

Associação Brasileira da Batata

Informações sobre colheita mecanizada

Referências Bibliográficas
FNP CONSULTORIA & COMERCIO. AGRIANUAL 2006 - Anuário Estatístico da Agricultura Brasileira. São Paulo: 506p, Outubro, 2005.
RESENDE, L. M. A. MASCARENHAS, M. H. T.; PAIVA, B. M. Aspectos econômicos da produção e comercialização de batata. Informe Agropecuário, 120 (197): 9-15, 1999.

 

Cebola

A colheita e cura da cebola são etapas muito importantes na conservação do bulbo, formação e coloração da casaca. A colheita deve ser realizada quando do amadurecimento dos bulbos. Indicado pelo murchamento prévio da rama, na região acima do bulbo (pescoço). Este processo é conhecido como tombamento ou “estalo” da cebola. Ainda existe uma certa controvérsia quanto ao ponto ideal para colheita, recomendando-se iniciar a colheita quando 50-60% das plantas estiverem neste estágio. Deve-se gradualmente diminuir a irrigação a partir do início da maturação dos bulbos, para que estes contenham um teor mais elevado de matéria seca favorecendo a conservação. A colheita pode ser mecanizada ou manual. No Brasil é mais comum a colheita manual. Pode-se utilizar uma lâmina para facilitar o corte das raízes de cebola, e desta forma, iniciar o processo de cura. Em algumas regiões de produção de cebola nos Estados Unidos utiliza-se a colheita mecanizada com maquinário apropriado. Após a colheita, realiza-se a cura, a qual pode ser artificial ou a campo, cuja finalidade é proporcionar a perda da umidade das ramas e secagem das películas externas (casca) dos bulbos alcançando coloração externa atrativa e redução da intensidade de podridões.

FERREIRA, M.D. Cultura da Cebola – Recomendações Técnicas. Asgrow Vegetables Seeds – SVS do Brasil Sementes Ltda, Campinas-SP. 2000. 36p.

Para saber mais sobre este assunto acesse o site abaixo

Sistema de Produção de Cebola (Allium cepa L.) – Embrapa Hortaliças

 

Cenoura

Quando as raízes da cenoura atingem o ponto de colheita, as folhas inferiores apresentam-se amareladas e as superiores se abrem, encostando as pontas na superfície do canteiro. Isso acontece, geralmente entre 85 a 120 dias após a semeadura, e a colheita estende-se por mais 20 ou 30 dias. Quando a cenoura é cultivada em épocas mais quentes do ano, este ciclo costuma ser menor. Para facilitar a colheita e evitar danos as raízes, recomenda-se irrigar os canteiros antes de iniciar a operação. O processo de colheita mais usual é o manual e consiste em arrancar as plantas puxando-as pela parte aérea. Em áreas de cultivo extensivo pode-se aumentar a eficiência da colheita utilizando-se como equipamento de auxílio a colheita, uma lâmina acoplada a um trator. Essa lâmina é passada horizontalmente a uma profundidade de 25-30 cm fazendo com que as raízes fiquem bem soltas no solo. Imediatamente após a colheita, corta-se a parte aérea (folhas) bem rente à parte superior, eliminando-se as raízes laterais (radículas). A colheita mecanizada é realizada em alguns países, por exemplo, Israel e Estados Unidos, onde em uma só operação, a cenoura é arrancada por sucção, e rama cortada no próprio campo, utilizando-se pouca mão de obra.

FERREIRA, M.D.; CASTELLANE, P.D., TRANI, P.E. Cultura da Cenoura – Recomendações Gerais. COOXUPÉ - Boletim Técnico Olericultura no 3. 1991. 19p.

Para saber mais sobre este assunto acessar o site abaixo

Cultivo da Cenoura – Embrapa Hortaliças

 

Colheita do Produto localizado ao nível do solo.

A colheita do produto ao nível do solo, pode apresentar a facilidade da localização externa deste, mas também requer cuidado, atenção e tecnologia. A colheita pode ser realizada manualmente e com equipamentos de auxílio a colheita, sendo esta última muito comum em diversos países. A colheita totalmente mecanizada é um desafio, pois como para várias dessas hortaliças a colheita requer um corte do produto ou destaque da planta, a mecanização total torna-se difícil. A seguir alguns exemplos:

Repolho e Curcubitáceas:

Repolho

A colheita inicia-se quando o repolho se encontra bem compacto. O repolho é cortado próximo à última folha, descartando-se as folhas externas. O ponto exato da colheita é determinado pelo tamanho, solidez da cabeça e pela diferenciação da cor, devendo-se apresentar-se firme. O repolho, quando colhido antes do ponto ideal, murcha rapidamente, ficando pouco atrativo. Por sua vez, quando colhido antes do ponto de colheita, as cabeças geralmente racham. O método de colheita mais comum consiste em separar a cabeça do caule com uma faca afiada com a retirada das folhas externas. A colheita pode ser antecipada ou protelada de acordo com as condições do mercado, sendo a produtividade dependente de vários fatores como cultivar utilizada, condições climáticas, manejo da cultura, adubação, etc. A colheita utilizada no Brasil é a manual. Outros países realizam a colheita por meio do uso de equipamentos de auxílio à colheita.

FERREIRA, M. D.; BRAZ, L. T; CASTELLANE, P. D.; FERNANDES, A O.; JUNQUEIRA FILHO, J. G. O.; MESQUITA, J. A.; TAVEIRA, J. A. M.; TRANI, P.E. Cultura do Repolho – Recomendações Gerais. COOXUPÉ – Boletim Técnico Olericultura no. 4. 1996. 30p.

Para saber mais sobre esse assunto leia o artigo
Development and Utilization of a New Mechanized Cabbage Harvesting System for Large Fields. (1276 kb)
HACHIYA, Mitsuru. AMANO, Tetsuro. YAMAGATA, Makoto. KOJIM, Makoto.
JARQ 38 (2), 97 . 103 (2004).

 

Curcubitáceas

A colheita de frutos da família Curcubitácea é muitas vezes dificultada devido ao tamanho, formato e peso destes frutos. Um boa alternativa é a utilização de esteiras transportadoras para colheita.

Para saber mais sobre este assunto acesse o site abaixo

Mobile Conveyors for Collecting Vegetables and Cucurbits


Para saber mais sobre esse assunto leia o artigo
Field Test of na Autonomous Cucumber Picking (1276 kb)
Robot. E.J. Van Henten; B.A.J. Van Tuijh; J. Henning; J.G. Kornet; J. Bontsema; E.A. Van Os.
Biosystem Engineering, v.86, n.3, p.305-313, 2003.


Veja alguns modelos de equipamentos de auxílio à colheita utilizados para hortaliças:

Para acessar imagens sobre este assunto acesse os sites abaixo

Agevolatrice di Reccolta mod. Gabbiano

Weening Brothers Manufacturing - Harvesting Aid
Rex Watson Farm Machinery - Harvesting Aid
Banque de plans

Assista vídeos de equipamentos

Ver os vídeos

Imprimir     |     Voltar     |     Início

 

O link para outros sites é mantido por outros servidores, informações contidas no texto e indisponibilidades momentâneas são de responsabilidade desses.
Indicação de sites é apenas ilustrativa, não sugerindo preferência. Os artigos aqui apresentados são de responsabilidade dos respectivos autores.
Copyright © - FEAGRI - UNICAMP - Todos os diretios reservados - All rights reserved